Seu navegador não suporta java script, alguns recursos estarão limitados.
Print

CCJ do Senado aprova indicação do procurador regional da República Silvio Amorim para conselheiro do CNMPA Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado Federal aprovou por unanimidade, nesta quarta-feira, 9 de agosto, a indicação do procurador regional da República Silvio Amorim (na foto, ao centro) ao cargo de conselheiro do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Participaram da sabatina 21 membros da comissão.

O próximo passo é a apreciação da indicação pelo Plenário do Senado, que deverá votar a aprovação de Silvio Amorim, por recomendação da Presidência da CCJ, em regime de urgência. Depois disso, ele será nomeado pelo presidente da República, Michel Temer, e empossado pelo presidente do CNMP, Rodrigo Janot, para ocupar o cargo de conselheiro, indicado pelo Ministério Público Federal (MPF), no biênio 2017-2019.

Silvio Amorim nasceu em Manaus, no Amazonas, em 1976 e é membro do MPF há 15 anos. Entre 2016 e 2017, ele ocupou o cargo de secretário-geral do CNMP por quase um ano. “Foi nessa época em que nasceu em mim a semente para querer ocupar o cargo de conselheiro. Adquiri uma experiência que pode contribuir muito para o exercício dessa função. Hoje, vivo um momento muito especial, o ponto mais alto da minha trajetória no Ministério Público. Estou honrado e emocionado”, falou. Amorim foi o nome mais votado da lista tríplice formada pelo MPF para conselheiro do CNMP.

Durante a sabatina, Silvio Amorim respondeu, principalmente, sobre aspectos relacionados a formação e atuação do CNMP. Perguntado acerca da quantidade de membros do Conselho, o sabatinado defendeu a manutenção do número atual, 14. “Apesar de muito novo, o órgão já consegue hoje encontrar sua identidade de atuação. Até para que haja consolidação da forma de trabalho do Plenário, mudanças constitucionais relacionadas à sua composição podem ser avaliadas pelo Parlamento em um segundo momento, já que o CNMP vem dando bons resultados em suas esferas de atuação: administrativa, disciplinar e financeira”, falou.

Dentre os aspectos do CNMP abordados, o mais destacado por Silvio Amorim foi o papel integrador da instituição, considerado fundamental por ele. “Antes de o CNMP existir, cada unidade do Ministério Público era uma ilha. Não havia interlocução entre elas, ou, se houvesse, era algo fugaz. O Conselho faz um trabalho de aproximação com as unidades e as integra entre si. Executa um papel uniformizador necessário em um Estado que precisa ter, cada vez mais, instituições eficientes”, afirmou.

Silvio Amorim também aproveitou para destacar o alto grau de transparência de todo o Ministério Público brasileiro, estimulado pelo trabalho do CNMP de avaliar, trimestralmente, as unidades e ramos do MP, por meio de uma ferramenta chamada de Transparentômetro. “No resultado divulgado ontem, todos os avaliados alcançaram índices de transparência superiores a 90%. A partir da atuação integradora do Conselho, o Ministério Público está aberto ao escrutínio social e parlamentar”, disse.

Da atual composição do CNMP, estiveram presentes à sabatina os conselheiros Antônio Duarte, Fábio George Cruz da Nóbrega, Orlando Rochadel e Fábio Stica, além do secretário-geral da Casa, Guilherme Raposo.

Clique aqui para ver fotos da sabatina.

Composição do CNMP

O CNMP é composto por 14 conselheiros, que são indicados por suas instituições de origem e precisam da aprovação do Senado Federal e da Presidência da República para assumir o cargo. A composição do Conselho é formada para uma gestão de dois anos, sendo que os conselheiros podem ser reconduzidos aos cargos por mais um mandato. O presidente do CNMP é o procurador-geral da República.

Veja abaixo como é formada a composição do CNMP:

- o procurador-geral da República, que o preside

- quatro membros do Ministério Público da União, assegurada a representação de cada um dos seus ramos

- três membros do Ministério Público dos Estados

- dois juízes, um indicado pelo STF e o outro pelo STJ

- dois advogados, indicados pelo Conselho Federal da OAB

- dois cidadãos de notável saber jurídico e reputação ilibada, um indicado pela Câmara dos Deputados e o outro pelo Senado Federal

Foto: Sérgio Almeida (Ascom/CNMP).