Seu navegador não suporta java script, alguns recursos estarão limitados. 5ª Conferência sobre equidade de gênero encerra ciclo de encontros em todas as regiões do país - Conselho Nacional do Ministério Público
Ministério Público
Publicado em 1/7/19, às 16h39.

 

5ª Conferência sulEmoção, empoderamento feminino e união marcaram o último dia da 5ª Conferência Regional das Procuradoras e Promotoras de Justiça da Região Sul, neste sábado, 29 de junho, em Bento Gonçalves-RS. O encontro encerra um ciclo de cinco conferências realizadas em todas as regiões do Brasil, com o objetivo de debater iniciativas e ações que visam à equidade de gênero em cargos de liderança no âmbito do Ministério Público brasileiro.

No encerramento, a presidente do CNMP e procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse estar grata e emocionada ao ter concretizado, em cinco meses, a realização das conferências em cada região brasileira. “Esse ciclo de debates foi intenso e inédito, além de desafiador em vários aspectos. A ideia de promover as conferências é parte do meu compromisso como procuradora-geral da República: o de fortalecer a nossa instituição em face de várias resistências”, afirmou.
Dodge destacou que, ao longo dos 21 meses de sua gestão, a pauta da equidade de gênero foi além do âmbito das associações e tornou-se institucional.

“Fortalecer o Ministério Público, para mim, depende do fortalecimento da presença das mulheres na nossa instituição. E fortalecer a presença das mulheres não significa dar a elas uma posição além do que lhes é devida”. Para ela, reforçar a posição feminina dentro da instituição e perante a sociedade é fazer cumprir os direitos constitucionais de dignidade humana e de igualdade de direitos. “Promover equidade significa prestar um serviço público melhor para o país, para o cidadão brasileiro; significa lutar contra a desigualdade, a opressão e a injustiça”, destacou.

Integrante da comissão organizadora das Conferências, a secretária de Direitos Humanos e Defesa Coletiva do CNMP, Ivana Farina, afirmou que os encontros foram verdadeiros espaços de debates e de reflexões. “Espero que todas essas ações e propostas sirvam para o nosso aprimoramento institucional. Que possamos fazer uso dessas oportunidades inéditas no MP brasileiro”, ressaltou.

Já o diretor-geral da Escola Superior do Ministério Público da União (ESMPU), João Akira, salientou a importância de as mulheres integrantes do MP se unirem e fortalecerem a instituição para que, de fato, ela seja transformadora da realidade social. “Ouvir relatos e perceber o que sofrem e o que passam mulheres, que, por já serem promotoras ou procuradoras de Justiça, podem ser consideradas empoderadas na sociedade, nos dá a dimensão do que passam aquelas que não estão nesses lugares que ocupamos”, destacou. A ESMPU foi parceira ao longo de todo o projeto, auxiliando na metodologia pedagógica dos encontros.

Painel Temático – Percepção Feminina sobre equidade de gênero

No início da tarde de sábado, 29 de junho, em painel conduzido pela presidente do CNMP, Raquel Dodge, três integrantes de Ministérios Públicos estaduais da Região Sul e especialista portuguesa em direitos humanos compartilharam estudos sobre equidade de gênero, além de percepções e dificuldades enfrentadas ao longo das carreiras.

Participaram do painel a advogada portuguesa e mestre em Direitos Humanos Antónia Barradas, a procuradora de Justiça do MP/PR Monica Louise de Azevedo, a procuradora de Justiça do MP/RS Silvia Cappelli e a promotora de Justiça do MP/SC Chimelly Louise Marcon.

Plenária final

Após o painel, foi realizada a plenária final, em que as participantes debateram e aprovaram as propostas apresentadas durante a realização de oficinas temáticas. Ao todo, foram aprovadas mais de 25 propostas que tratam de questões relativas a ingresso, permanência e movimentação na carreira, além de condições de trabalho, gênero e família e liderança.

As participantes foram convidadas, ainda, a avaliar se o encontro alcançou os resultados pretendidos. Por unanimidade, todas responderam que sim, que a conferência alterou a percepção de cada uma delas sobre as questões de gênero, promovendo a reflexão e a troca de experiências.

Foto: Augusto Tomasi/UE

Secretaria de Comunicação Social
Conselho Nacional do Ministério Público
Fone: (61) 3315-9424
jornalismo@cnmp.mp.br 
Twitter: cnmp_oficial
Facebook: cnmpoficial