Seu navegador não suporta java script, alguns recursos estarão limitados. No Rio de Janeiro, Ministério Público instala Ouvidoria da Mulher - Conselho Nacional do Ministério Público
Ouvidoria das Mulheres
Publicado em 15/8/22, às 17h32.

10 08 22 bianca stella mp rjA membra auxiliar do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e coordenadora da Ouvidoria da Mulher, promotora de Justiça Bianca Stella Barroso (foto), esteve presente no lançamento da Ouvidoria da Mulher do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP/RJ), canal voltado para o atendimento especial a mulheres vítimas de todas as formas de violência.

Na solenidade, realizada na quarta-feira, dia 10 de agosto, a membra auxiliar representou o ouvidor nacional do MP, Engels Muniz. Na ocasião, Bianca ressaltou que “a Ouvidoria Nacional é responsável pelo canal direto da sociedade com o Ministério Público, bem como responsável por levantar dados e estatísticas para a consolidação das demandas ministeriais. E a Ouvidoria da Mulher atesta que a violência contra as mulheres é uma demanda consolidada que vem sendo enfrentada em todos os ramos do Ministério Público".

Também participaram da inauguração representantes do MP/RJ, do Tribunal de Justiça, da Defensoria Pública, da Câmara Municipal, da Ordem dos Advogados do Brasil e da Polícia Civil, além de instituições voltadas para o atendimento às mulheres.

O evento foi aberto pelo ouvidor do MP/RJ, Augusto Vianna, que explicou a importância do papel da Ouvidoria. "Somente em 2021, recebemos mais de 52 mil registros e esperamos dobrar esse quantitativo em 2022. Esses dados ressaltam o quanto a sociedade precisa do Ministério Público e do acesso à Justiça", destacou o procurador de Justiça.

Coordenadora da Ouvidoria da Mulher, a promotora de Justiça Gabriela Tabet indicou a necessidade da ampliação das ações articuladas pelo poder público. "O MP/RJ, percebendo a necessidade de medidas proativas direcionadas às vítimas, criou mais esse instrumento, que é a Ouvidoria da Mulher. Como queremos contribuir para a diminuição dos ciclos de violência, a equipe será composta por atendentes mulheres, com capacitação para uma escuta humanizada e empática", explicou. 

A cerimônia foi encerrada pelo procurador-geral de Justiça, Luciano Mattos. "Quero dizer a todas as mulheres aqui presentes que essa não é uma luta apenas de vocês. É de todos nós. E a minha presença aqui é para reafirmar esse compromisso institucional. Em uma sociedade civilizada não podemos tolerar que a mulher ocupe o papel de vítima, de agredida, de ofendida”, afirmou o PGJ.

O atendimento presencial acontecerá na Sala Lilás, na sede do MP/RJ, nos dias úteis, das 9h às 17h, em um ambiente de respeito e cuidado com essas mulheres. Esse formato também está presente no ônibus da Ouvidoria Itinerante. O atendimento diferenciado e prioritário às mulheres vítimas de violência também pode ser realizado pelo telefone 127, gratuito no estado do Rio de Janeiro, nos dias úteis, das 8h às 20hs. Além disso, o portal do MP/RJ conta com um ícone de acesso direto à Ouvidoria da Mulher. 

A primeira-dama do estado do Rio e presidente de honra do Rio Solidário, Analine Castro; o ouvidor do Ministério da Cidadania, Eduardo Flores Vieira; e a ouvidora do Tribunal de Justiça do Estado do Rio, juíza Juliana Kalichsztein, prestigiaram o lançamento do canal e desejaram sucesso à iniciativa do MP/RJ. Ao final, todos os presentes foram convidados a conhecer as instalações da nova estrutura, montada dentro da Ouvidoria/MPRJ.

Com foto e informações do MP/RJ

Matéria relacionada
Ouvidoria Nacional do Ministério Público cria formulário para denúncias de violência política contra mulher  

 

 

Secretaria de Comunicação Social
Conselho Nacional do Ministério Público
Fone: (61) 3315-9424
jornalismo@cnmp.mp.br 
Twitter: cnmp_oficial
Facebook: cnmpoficial